terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A humanização das marcas

O final de um ano costuma ter características tão marcantes que, mesmo sem relógio ou calendário, é possível se situar no tempo.
O calor no hemisfério Sul, o ritmo lento da economia e as previsões sobre o próximo período são algumas das evidências de que o fim do ano chegou.

Prever o futuro...sem dúvida é um dos sonhos de todas as pessoas.
Claro que algumas situações perderiam a graça sem o fator da “imprevisibilidade”, mas outras, certamente ficariam bem interessantes.
Independentemente dos argumentos prós e contras a respeito, não creio que seja possível se ter certeza quanto ao futuro, porém, considero perfeitamente factível que, baseado em estudos e pesquisas, seja possível detectar tendências.
Uma das empresas mais conceituadas nesse ramo é  a Trendwatching.com, que elaborou uma lista das principais tendências para 2012, e nessa incluiu a chamada "humanização das marcas".
Mas o que seria isso?

Respondendo de forma bem simplória, seria a maior valorização dos consumidores em relação às empresas que admitam suas falhas, ou seja, empresas que, ao invés de ocultarem seus erros , admitam e tenham atitudes de corrigi-los.
Acredita-se que com essa postura, as empresas passem a ser mais admiradas.
Um bom exemplo que caracteriza essa atitude foi a ação da Pizzaria Domino’s, que em junho de 2011 utilizou um painel digital na Times Square em Nova York, no qual eram transmitidas as opiniões dos consumidores via twitter, não importando se as mesmas eram boas ou ruins.

Essa tendência me parece muito interessante, no entanto, não sei até que ponto, pode ser chamada de “humanização das marcas”, visto que o próprio ser humano é bastante reticente quando se trata de admitir suas responsabilidades em situações adversas.
O que chega a ser patético. 
Será que não percebem que todos cometem erros e fazemos parte desse todo?
Será que não percebem que em seus discursos só os outros erram e que estão sempre certos?
Será que não percebem que a credibilidade de quem só critica ou só elogia tende a zero?
Quem nunca no esporte se deparou com o discurso: “eu ganhei, nós empatamos, eles perderam”?                                                                    
Agindo dessa forma, perdem a confiança do grupo em que está inserido, que não consegue mais enxergar no interlocutor - seja esse líder, companheiro, técnico, dirigente ou crítico - uma pessoa correta e que tenha sua conduta baseada na verdade e não nos interesses pessoais.

Um dos melhores goleiros brasileiros do século passado jamais admitia seus erros, pois bem, mesmo tendo inegável bom desempenho, nunca foi bem quisto nos times que atuou.
O que é bem sintomático.
Profissionais, independente do segmento que atuam, deveriam frequentemente refletir para avaliar se não estão cometendo o erro de nunca errar.
Posso garantir que nunca admitir erros se trata de um grave erro, pois além de expor fragilidade e insegurança, também traz sérios prejuízos à credibilidade.

Claro que a pressão por resultados pode vir a desequilibrar o emocional das pessoas, e assim provocar reações de autodefesa como destempero, desmotivação e, evidentemente, o não reconhecimento de suas falhas.
Reações perfeitamente normais...quando não ocorrem na totalidade das vezes.

Por fim, agradeço a todos que dedicaram uma parte do seu tempo de 2011 lendo esse blog.
Votos de um ótimo 2012, e que esse venha repleto de “humanização das marcas”, pois independente de sermos pessoas, temos também uma marca para gerir: os nossos nomes.


4 comentários:

  1. Oi, Idel Halfen
    Bastante oportuno esse seu artigo em torno dos erros e da nossa fragilidade diante deles. Nessa época do ano é sempre comum fazermos reflexões/avaliações/ balanços de nossas atitudes, do que deu certo, dos erros que cometemos e dos que não devemos repetir. Interessante esse assunto avançar para o mundo do mkt, e marcas e afins trabalharem seus mercados partir dos erros e/ou falhas. É humano demais errar. Como diz Nietzsche: “humano, demasiadamente humano”.
    Abraço e um ano novo com novas e boas idéias, Idel!
    Nira Lima

    ResponderExcluir
  2. Idel,

    Muito bom texto. Penso, também, que a palavra humanização desarmoniza o conceito, visto que o próprio humano não reflete o comportamento desejado quando erra.

    Agora, uma coisa é certa: ainda bem que você é tricolor!!!

    Um ano novo de muitas conquistas para todos nós.

    SAUDAÇÕES TRICOLORES

    ResponderExcluir
  3. Valeu, Antonio

    Muito obrigado pelo comentário e pelas palavras.

    Feliz 2012 e saudações tricolores.

    ResponderExcluir
  4. Só lí agora este post mas parabenizar por este - e tantos outros excelentes textos - nunca é fora de de hora! Bela reflexão! Feliz 2012 e muita humanização com conscientização p todos nós! bjs

    ResponderExcluir