terça-feira, 13 de novembro de 2012

A casa caiu

Após anos vencendo e sendo questionado pelos resultados obtidos, o “fenômeno” Lance Armstrong chegou ao fim. 
Patrocinadores rescindiram os contratos, títulos foram cassados e processos estão sendo movidos para que os prêmios que recebeu em dinheiro sejam devolvidos. 


Uma das decisões mais interessantes nesse caso partiu da organização do Tour de France, que cassou os 7 títulos do americano mas não os passou para os segundos colocados por entender que o doping nessa época estava tão disseminado, que ficaria difícil garantir que os demais competidores estavam “limpos”. 
Sorte do esporte não ter magistrados para alegarem “falta de provas” diante de tantas evidências. 
Aliás, a meu ver, o ambiente esportivo está dando um belo exemplo de combate à impunidade. 

Por mais admiração que um atleta possa causar em função de seus resultados, devemos ter em mente que a utilização de meios escusos é roubo
Quantos atletas deixaram de ser patrocinados porque as empresas preferiram investir no “vencedor”, quantos prêmios pararam nas mãos erradas, quantas modalidades foram ofuscadas por outras que produziram “ídolos forjados”. 

E o mais grave disso tudo, o tempo passou e os que sofreram prejuízos técnicos não terão a chance de serem ressarcidos.
Punem-se os criminosos, mas é impossível consertar todo o estrago causado na cadeia que cerca o objeto do dolo. 
Raciocínio similar pode ser aplicado a outros setores da sociedade, onde ministros, governadores e donos de empreiteiras desviam verbas que poderiam estar indo para a educação da população, combatendo a fome de crianças, dando dignidade e cuidando da saúde dos necessitados.
Na verdade não é tão similar assim, no esporte há mais rigor. 

Voltando ao tema do blog, vejo como bastante positiva a punição ao ciclista, pois além de passar segurança para os patrocinadores quanto ao zelo pelo cumprimento das leis, a medida também serve para referendar que o esporte é um dos principais agentes educativos de formação ao expor situações exemplares para mostrar que o crime não compensa.


4 comentários:

  1. wallacy.leite52@gmail.com14 de novembro de 2012 13:15

    Eai blz?

    Sou Tricolor e moro em Moçambique, fiquei sabendo
    que você vai vir pra ca, pra participar de um forum esportivo!
    Fiquei feliz em saber que o Fluminense TETRACAMPEAO Brasileiro
    será tão bem representado!

    Meu email é wallacy.leite52@gmail, caso precise de alguma coisa aqui é so chamar!

    Um abraço! Saudações TRICOLORES #EHTETRA!

    ResponderExcluir
  2. E ai Halfen, tudo bem? Brilhante reflexão, como todas as que postas.
    Sobre o doping no esporte, embora, como tu disseste, "o ambiente esportivo está dando um belo exemplo de combate à impunidade", continuamos a presenciar casos em que atletas ditos "ídolos" perdem suas medalhas por causa de doping.
    Em campeonatos mundiais, nas olimpíadas e recentemente nas competições "de lutas" há este comportamento covarde por parte de alguns atletas.
    Idel, tu que estás bem envolvido com este meio, existe clausulas punitivas nos contratos destes atletas sobre o uso de doping?
    Eu fico feliz quando se descobre esses casos de doping, mas, também fico triste pelos atletas que não se utilizaram dele e que acabam sendo duplamente punidos. Primeiro, são punidos por perder a competição. Segundo, quando é reconhecida a sua vitória muito tempo depois da competição, devido a retirada do título do atleta que fora pego no doping. Não nos esquecendo que nem sempre ocorre este reconhecimento tardio.
    É isso Idel. Quando vais a Moçambique?
    Um abraço
    Cleudes

    ResponderExcluir
  3. Cleudes

    Não tenho como garantir que todos os contratos tenham tal tipo de cláusula, mas geralmente costuma existir principalmente entre empresas patrocinadoras e atletas.
    Já voltei de Moçambique, o fórum foi muito interessante.
    Abs

    ResponderExcluir