terça-feira, 12 de novembro de 2013

Você vai ao estádio?

Inicialmente vale deixar claro que, apesar do título provocador, não vai aqui nenhum tipo de patrulhamento, nem tampouco há alguma intenção em criar gradações para segmentar torcedor.
O objetivo do texto é provocar a reflexão sobre a disputa que vem sendo travada entre estádio e TV pelo espectador, curiosamente, há nesse caso uma forte "simbiose" entre os oponentes.

A TV precisa de conteúdo atrativo para comercializar suas cotas de patrocínio, sendo importante que os jogos levem bom público e o ambiente tenha componentes de emoção.
Já o esporte precisa da televisão para divulgar seus patrocínios, receber direitos de imagem e aumentar sua popularidade.


Diante desse cenário surge fortemente o fenômeno da segunda tela (second screen), nele o telespectador acompanha paralelamente a transmissão de um jogo – ou mais – pela TV, enquanto utiliza o smartphone e/ou tablet para se comunicar com outras pessoas e obter informações mais detalhadas sobre algum tema que tenha sido suscitado na própria transmissão.
Esse movimento tem feito com que as redes de TV desenvolvam aplicativos nos quais é possível a sincronização entre as duas telas, o que gera mais espaço publicitário para ser comercializado, além da possibilidade de receitas com a venda dos próprios aplicativos.
Não há como negar que para aquele torcedor que não é tão fanático por estádio, se trata de um belo atrativo para justificar a opção pelo sofá, além de outros como preço, horário, etc.

Então como contrapor a essa suposta vantagem sem entrar nas tradicionais discussões sobre preço de ingresso?

Nesse caso, creio que a resposta deva vir na mesma moeda, ou seja, instalar infraestrutura de telecomunicação nos estádios, de forma que a “Segunda Tela” possa ser utilizada pelos torcedores no local da competição.
Obviamente, o investimento deve focar também o aspecto de segurança.

Infelizmente, aqui no Brasil, a maioria dos estádios está ainda muito aquém em termos de telecomunicações, sendo que alguns nem propiciam condições para a realização de uma mera ligação telefônica.
Por outro lado, as arenas americanas têm investido pesadamente em redes de WiFi.

Claro que há mercado para todos, até porque, existem limitações físicas de lotação no estádio, mas nenhum dos lados pode se descuidar e ficar desatento para o dinamismo que envolve essa "competição".
Encontrar o equacionamento ótimo da participação audiência/presença no estádio é um grande desafio para os gestores do esporte, que não podem prescindir de nenhuma das partes e em nenhum momento.


Um comentário:

  1. Já dizia Nelson Rodrigues: "o videotaipe é burro". Se estivesse vivo hoje, estou certo que, sobre essa profusão de estatísticas, gráficos, dados, análises, segundas telas, microscópios, Nelson falaria algo mais ou menos assim "esses caras vão acabar descobrindo que o futebol é chato".

    Sobre essa disputa entre TV e estádio, no caso do Brasil, do Maracanã, me atrevo a dizer que a TV ganhou. Destruíram o Maracanã, onde a visibilidade era 100% melhor ( projeto de um arquiteto que derrotou Niemeyer ), e agora é pior
    ( projeto de não sabemos quem. Da Fifa? ). Acredito piamente, inclusive, que a planta foi feita para tornar os lugares atrás do gol muito piores do que os das laterais do campo, justamente para fazer essa gradação nos preços, e vender os das laterais muito mais caros.

    Idel, num primeiro momento, o novo Maracanã pareceu bom negócio para o Flu. Pra mim, perdeu totalmente a alma. Virou um estádio cafajeste. Eu, tinha no Maracanã meu melhor programa, passei a preferir a TV. Vamos ver quanto tempo se sustenta o público no novo Maracanã. Hoje comemoram 30 mil pessoas como se fosse um bom público. Pra mim, feriram mortalmente a galinha dos ovos de ouro, que vai morrer aos poucos, unto com a audiência do Maracutã e o próprio futebol brasileiro.

    É por isso que defendi tanto Laranjeiras. Um estádio com alma. Com identidade. Com história.

    ResponderExcluir