terça-feira, 17 de outubro de 2017

O amador e o doping


Como já foi abordada no artigo “Esporte de participação” - http://halfen-mktsport.blogspot.com.br/2011/08/esporte-de-participacao.htmlessa manifestação do esporte se caracteriza pela prática voluntária e "compreende as modalidades esportivas praticadas com a finalidade de contribuir para a integração dos praticantes na plenitude da vida social, na promoção da saúde e educação e na preservação do meio ambiente". 
A definição por si só é bem clara e não deveria dar margem a interpretações diversas, principalmente no que tange aos aspectos relacionados à promoção da saúde e da educação, entretanto, infelizmente, não é o que vem acontecendo.
O que temos visto é um número cada vez maior de pessoas que, ao praticarem de forma frequente uma dada modalidade, não se conformam com os resultados obtidos e apelam para o uso de substancias proibidas nocivas à saúde e benéficas às performances no curto prazo.
Agindo dessa forma, esses participantes amadores – me recuso a considerá-los atletas – fazem um desserviço ao esporte, pois, além de descaracterizar os  valores da atividade - saúde, educação, superação, integridade, etc. -, vão aos poucos afastando das competições os potenciais patrocinadores que têm por objetivo a associação de suas marcas aos princípios nobres do esporte.
Fato que pode num horizonte não muito distante fazer com que a quantidade de competições diminua, afinal o patrocínio é fundamental para a viabilização dos eventos. 
E o mais grave disso tudo é que a busca pelo "destaque" não se resume às competições, mas também aos treinamentos, pois, através de aplicativos é facultada a possibilidade de se comparar desempenhos.
Vale notar aqui um fato curioso: enquanto os bons atletas costumam esconder seus bons tempos para surpreender os adversários nas competições, os mais limitados fazem questão de divulgá-los. Vai entender...
Difícil realmente entender, visto que tais sujeitos nem podem dar como explicação a busca de uma qualificação para os Jogos Olímpicos, tampouco algum retorno financeiro, mesmo porque tais motivações não justificam práticas desonestas.
Assim, a explicação mais razoável para tal fenômeno está ligada à falta de princípios dos usuários dessas drogas para aumento de performance, o que nos permite supor que  não restrinjam essas ações apenas à esfera esportiva, ainda que sejam críticos dos políticos pegos em operações desonestas.
O esporte amador é na verdade apenas o terreno mais oportuno para colocarem em prática seus desvios de personalidade graças a certeza da impunidade e à facilidade para a utilização das "substâncias",
Pena que tenham descoberto o esporte para extravasar seus recalques mas que não tenham descoberto que as vitórias e os resultados saborosos são aqueles obtidos através de disciplina, treinamento e honestidade.
Finalizando fica a dúvida do que pode ser feito para a extinção do uso do doping por amadores. Não sei responder e aceito sugestões, ressaltando que muitas das vezes uma boa educação é incapaz de corrigir ou incutir caráter e ética a quem não possui.

Caráter firme é aquele que pode prescindir de êxitos - RALPH WANDO EMERSON


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Os donos da verdade

Ter opinião sobre algum assunto é um direito de qualquer cidadão, assim como expressá-la de forma respeitosa. Entretanto, com o advento das redes sociais as opiniões se tornaram “verdades absolutas” e passaram a ter propagadores fanáticos na defesa dos respectivos pontos de vista.
E o pior de tudo é que na maioria das vezes, tais “verdades absolutas” não passam de opiniões sem nenhuma base teórica ou até mesmo prática daquele assunto, sendo a inflexibilidade e o radicalismo de seus autores os escudos para ocultarem o desconhecimento latente.
Reparem que não me refiro às narrativas de fatos, essas por si só já são definitivas ainda que as contextualizações possam variar. Falo de opiniões que envolvam subjetividade e que necessitem de conhecimento, estudos e de variáveis ocultas aos olhos de quem está de fora.
No ambiente corporativo, talvez pelo fato de não envolver paixão, esse tipo de manifestação é mais raro, e costuma acontecer quando algum integrante de outro departamento sugere ou questiona os motivos da adoção ou não adoção de alguma prática. Além do que, os eventuais executivos “palpiteiros” têm geralmente a noção de que gestão é algo complexo e que fórmula mágica existe apenas na ficção. 
Já no esporte as ocorrências se sucedem numa frequência absurda, elas partem de torcedores cegos pela paixão, dos oportunistas políticos ou até dos que, ainda que bem intencionados, não têm a menor noção da conjuntura que envolve o tema em debate. Claro que muitas sugestões são coerentes e podem ser aproveitadas, mas a discussão não é essa e sim a postura da grande maioria que acredita possuir o monopólio da certeza.
Sem sair do campo esportivo, temos os “especialistas” que entendem tudo da parte técnica e, mesmo sem o conhecimento necessário, criticam veementemente as escalações, substituições, contratações e tudo mais que interfira no desempenho. Sobre esses nem vale se aprofundar, pois já fazem parte da cultura e sofrem o contraponto dos que agem da mesma forma mas discordam das suas colocações.
Os mais pitorescos nessa seara são os que escolheram aparecer através de textos sobre gestão e, curiosamente, têm a receita infalível para se atingir os objetivos mais ambiciosos possíveis. O detalhe interessante aqui é que tais "gênios" jamais "fizeram" ou procuraram saber como é a realidade, fato que corrobora para o surgimento da dúvida: por que nenhuma organização esportiva convida esse tipo de sujeito para integrar sua equipe? 
Penso que são duas as razões: a primeira é pela constatação de que as opiniões desses "influenciadores" carece de embasamento/coerência, e a segunda é que a postura de dono da verdade não cabe em nenhum tipo de ambiente.
Pensando melhor, talvez caiba em estruturas solitárias sem contato com o mundo externo, aonde as consequências das decisões não interferem no universo - algo mais ou menos como um simulador de voo.




terça-feira, 3 de outubro de 2017

Quem bate? Quem faz?



Serve como ilustração para o desenvolvimento do artigo, a discussão ocorrida em pleno campo de jogo entre o brasileiro Neymar e o uruguaio Cavani pelo direito de ser o cobrador de um pênalti. 
É necessário que fique claro que o citado episódio não guarda nenhum ineditismo, talvez ele seja o mais lembrado em função do bombardeio feito pela mídia e por ter acontecido recentemente. Tampouco se trata de exclusividade do meio esportivo, aliás, muito pelo contrário.
Tanto no esporte como no mundo corporativo, o problema é relativamente comum e tem como causa principal a falta de uma definição prévia das responsabilidades de cada profissional e de cada setor. Complementa o diagnóstico a resposta para a pergunta: qual a dificuldade de se estabelecer tais definições? Afinal de contas na maioria das vezes não se tratam de situações inusitadas, e sim o oposto, já que fazem parte do cotidiano da atividade.
São duas as possibilidades de resposta: fragilidade/ incompetência do gestor responsável e/ou carência de processos que estabeleçam os limites de alçada para cada parte da organização. 
É óbvio que qualquer decisão que envolva a escolha de um “lado” pode trazer consequências não muito agradáveis, contudo, essas são mais fáceis de administrar do que a contínua “briga pelo espaço”, a qual tem o poder de contaminar toda a organização e costuma deixar sequelas graves, tais como a formação “panelas” e desvios de foco do objetivo macro da organização.
A opção de esperar o tempo passar para acomodar a situação é, nesse caso, a pior alternativa possível, visto que dessa forma o ambiente fica ainda mais desarrumado e pior, ambos os lados da “contenda” ganham a certeza de que quem deve decidir é despreparado para a função.
De antemão aviso que a célebre citação de Maquiavel: “dividir para governar”, é totalmente fora de contexto nesse caso, pois quando se trata de equipes a união é fundamental.
No caso do clube francês bastava estabelecer, em função de algum critério coerente, quem seria o responsável pelas cobranças da penalidade máxima, cabendo ao que fosse preterido argumentar internamente e, se mesmo assim não convencesse o “comandante”, aceitar e trabalhar para reverter a situação treinando e demonstrando comprometimento com o grupo. Na verdade, nem sei se a adoção agora dessa medida conseguirá consertar o ambiente, pois, como escrevi acima, o comandante deixou evidente sua falta de firmeza, o que é péssimo, afinal uma das características mais importantes de um líder é ter a confiança dos seus liderados.
Em tempo, é importante explicitar que todo esse discurso expondo a responsabilidade do “comandante” não exime de forma nenhuma aqueles que, ao invés de resolverem os eventuais conflitos de forma discreta e internamente, demonstram em público suas insatisfações, deixando claro que os interesses individuais estão acima do coletivo.


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Qual a fronteira do patrocínio?

O céu é o limite quando se pensa em ativação de patrocínios.
Na Inglaterra, o Bendale AFC - um clube semiprofissional - tem sua camisa ornamentada por desenhos de salsichas. Isso mesmo, por ser patrocinado por um fabricante desse produto - a Heck - o clube decidiu customizar um de seus uniformes com a citada iguaria.
Devido ao fato de se tratar de um clube sem sólida estrutura profissional direcionaremos nossa análise ao conceito e não à instituição que, provavelmente, não deve estar se importando muito com as consequências da iniciativa, nem tampouco com a estética do uniforme.
A adoção desse tipo de prática é, no meu modo de ver, bastante maléfica à organização patrocinada, pois um espaço demasiadamente dedicado à marca do patrocinador desvaloriza seus símbolos. Enquanto que para o patrocinador esse tipo de divulgação pode até ser vantajoso, já que outros potenciais interessados no espaço precisariam investir um montante expressivo para que a “parceria” anterior seja esquecida e a nova percebida, o que acaba inibindo eventuais propostas, e assim garante uma espécie de reserva de mercado para a marca atual.
Há também que se considerar que, caso o patrocinador decida alterar o produto a ser divulgado, o uniforme precisará sofrer alterações bem radicais, o que envolve inclusive as cores.
E já que tocamos no assunto do design, convém lembrar que o fornecedor de material esportivo fica bastante vulnerável na situação mencionada, visto que uma mudança de patrocínio faz com que todo o uniforme que esteja no mercado sofra uma forte desvalorização. A propósito, é justamente em função do risco de mudança de patrocinador que a maioria das camisas comercializadas no varejo não trazem a marca deste, e reparem que nesse caso o que muda é apenas o cromo.
Claro que a desvalorização do produto também ocorre às vésperas dos lançamentos das novas versões, essas, porém, não costumam sofrer alterações bruscas no design, nem na essência.
Para ilustrar o artigo com um fato real, vale citar um caso ocorrido em 2005 com a Confederação Brasileira de Voleibol, que tentou alterar as cores dos uniformes da seleção - preto no masculino e rosa no feminino - para, segundo se comentou na época, se desassociar do amarelo e do azul, cores que coincidentemente são as mesmas do seu patrocinador, o Banco do Brasil. 
Ações como as do clube inglês corroboram para deixar ainda mais evidente que patrocinados e patrocinadores enxergam ainda os uniformes como um mero veículo de mídia, quando na verdade deveriam encará-los como uma plataforma que representasse os valores e propósitos da instituição, de forma que o patrocínio também se aproveitasse dessas características ao associá-las a sua marca, mas sobre isso não vou me estender, pois tal assunto já rendeu inúmeros artigos nesse blog.
Diante do argumentado não parece razoável supor que um patrocínio que chegue ao ponto de se customizar toda a camisa do clube com seus produtos seja salutar, o que não significa que uma marca não possa ter uma relação mais forte com algum time, mesmo porque há a possibilidade de a própria empresa ser proprietária da equipe, vide o caso da Red Bull.



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Patrocínio, mecenato...

Sempre que surge um novo patrocinador no esporte, principalmente quando esse investe uma cifra acima da média do mercado, começam as discussões sobre a viabilidade do patrocínio.
De fora especulam que o investimento não se paga e que não se trata de patrocínio, mas de mecenato. No lado oposto, os que defendem a iniciativa utilizam números "bem escolhidos" que avalizam o retorno.
Na maioria das vezes, esse patrocínio - em tese fora da curva -  advém de empresas cujos mandatários acabam personificando a instituição e, para jogar mais combustível na discussão, são torcedores do clube patrocinado.
Outro ataque a esse tipo de patrocínio vem com o argumento de que ao final da parceria o clube passará por um período quase falimentar.
Inicialmente tendo a achar que os valores pagos pelo patrocínio ainda não estão suficientemente consolidados a ponto de poderem ser avaliados tendo como parâmetro o mercado. Até porque nessa avaliação de valor precisariam considerar o segmento, o posicionamento mercadológico do patrocinador, as alternativas de investimento, a conjuntura macroeconômica do país e a atuação da concorrência.
O fato de o responsável pela empresa personificar o patrocínio é, em minha opinião, nocivo para a marca que deveria ter vida própria e livre de qualquer tipo de contaminação por seres humanos, além do que, quanto mais “única”, maior a probabilidade de se destacar.
Já a alegação de que ao final da relação o futuro será sombrio não me parece razoável, mesmo porque é impossível garantir que não venha como substituto outro patrocinador da mesma magnitude. Lógico que as chances de que isso aconteça são menores, porém, se o período das "vacas gordas" for gerido com responsabilidade, os investimentos em infraestrutura serão contemplados de modo que o impacto com a eventual queda de receitas seja menos traumático. 
Levar essa argumentação adiante é o mesmo que preconizar viver com pouco dinheiro no presente para se acostumar com os momentos ruins no futuro.
Já os que  justificam o valor investido através dos indicadores financeiros e mercadológicos, precisam tomar cuidado para que suas argumentações não esqueçam que o patrocínio é apenas uma das atividades que permeiam um plano de ação. Além dele, há toda uma política comercial, uma estrutura de distribuição, um cenário mercadológico e econômico, além de outras atividades ligadas à divulgação e posicionamento das marcas.
Creditar um bom ou um mau desempenho da empresa apenas ao patrocínio é injusto.
Na verdade, nem mesmo é possível afirmar com absoluta certeza sobre o retorno da iniciativa, já que certas variáveis tais como a atuação da concorrência, por exemplo, são difíceis de serem incluídas na avaliação com o devido grau de proporcionalidade.
Não obstante a isso, as discussões são livres e benéficas, só não podemos esperar verdades absolutas como respostas, pois se trata de uma avaliação com um número expressivo de variáveis exógenas e que não conseguem ser isoladas.