terça-feira, 22 de março de 2011

Isso aqui é...deixa pra lá

Uma das tônicas desse blog é fazer um paralelo entre o mundo esportivo e o ambiente corporativo, pois acreditamos que ambos, além de guardarem estreita relação, podem vir a se aproveitar de conceitos, por ora mais desenvolvidos em algum deles.
Evidentemente o marketing deve nortear o assunto a ser abordado, porém algumas vezes, esse pode não estar associado diretamente a algum assunto, mesmo que intrinsecamente faça parte do tema.

A área de Recursos Humanos, por exemplo, pode vir a ser muito importante para a imagem e para os aspectos mercadológicos de uma empresa, portanto cabe também a essa área estar atenta às diversas oportunidades de impressionar e tratar bem um candidato, mesmo que esse não seja contratado, pois sempre existe a possibilidade dele no futuro vir a ter que se decidir por ser ou não consumidor de algum produto dessa empresa.
Na verdade, a razão principal para um bom tratamento não deveria ser a incerteza do futuro, mas o comprometimento com a educação e o respeito ao ser humano, entretanto, cientes da falta desses atributos em algumas pessoas, apela-se para o futuro como forma de incentivo dessas boas práticas.
Por outro lado, cabe também a esses candidatos ou mesmo funcionários, o cumprimento de algumas "regrinhas", entre elas destaco:

  • Nunca falar mal do ex-empregador
Mesmo que esse tenha inúmeros defeitos, é feio, deselegante, e além de passar a impressão de que fará o mesmo quando sair daquela empresa, ainda denota ingratidão com a instituição que foi responsável durante algum tempo pelo seu sustento e/ou enriquecimento.

Fato semelhante ocorreu recentemente no futebol, e fez com que muitos jornalistas e torcedores passassem a ter dúvidas quanto ao caráter do protagonista desse vergonhoso episódio, já em relação a elegância...não havia mais dúvida.
  • Nunca dizer que pode iniciar um novo contrato de trabalho imediatamente caso esteja empregado, pois isso demonstra falta de comprometimento e que pensa apenas em si próprio, além do que, fica claro que as chances de largar o novo emprego caso receba uma outra proposta são muito grandes.
Abandonar o emprego sem negociar prazos que protejam o empregador de prejuízos na operação é visto como falta de ética no meio empresarial.

Fato semelhante ocorreu recentemente no futebol, e fez com que muitos jornalistas e torcedores passassem a ter dúvidas quanto à tão apregoada ética desse "profissional", já em relação a elegância...não havia mais dúvida.
  • Nunca dizer meias verdades, aliás, existe um provérbio que diz: Meia verdade é uma mentira inteira. Felizmente, o tempo fatalmente restabelece a verdade e faz com que as máscaras caiam, o que causa estragos permanentes na imagem, que mesmo os eventuais bons resultados não são capazes de apagar.
Fato semelhante...deixa pra lá.

Profissionais do esporte e do ambiente empresarial que agem de acordo com essas "regrinhas" são mais atrativos para o mercado, mais admirados no meio que atuam e, talvez o mais importante, dão um belo exemplo para seus filhos.
Já para os que não adotam esse tipo de conduta, vale uma frase de John Wooden: "Preocupe-se mais com seu caráter do que com sua reputação, porque seu caráter é o que você realmente é, enquanto a reputação é apenas o que os outros pensam que você é."
Para quem não conhece, John Wooden foi o melhor técnico americano de basquete da NCAA - National Collegiate Athletic Association, onde conquistou 10 títulos entre 1964 e 1975 pela UCLA. Wooden faz parte do Basketball Hall of Fame, tanto como jogador como treinador.
Como podemos ver existem técnicos e "técnicos" e isso não é apenas uma questão de resultados.


17 comentários:

  1. Acho que o Muricy tem toda razão em reclamar das péssimas condições de trabalho. A Unimed acha que pagar salários e trazer estrelas é suficiente para ganhar títulos. Xerém é uma varzea, o Flu tem que tomar vergonha na cara e fazer um CT de primeira com o Cruzeiro e São Paulo

    ResponderExcluir
  2. Excelente, Idel. Pegando carona no provérbio citado, no contexto do seu post, meia palavra serve como texto inteiro. O episódio do Muricy apenas me dá mais certeza que não existe o conceito do "absoluto" e que tampouco existe alguém sem preço. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito!
    Sem mais...

    ResponderExcluir
  4. Idel, muito inteligente e oportuna a associação feita com seu ex, Muricy.
    O texto é ótimo, apesar de deixar claro, a mágoa...
    Reginaldo

    ResponderExcluir
  5. Perfeito!!

    Caíque Pereira - CHP Cultura & Marketing Ltda.

    ST!!!

    ResponderExcluir
  6. Obrigado, Holfinger!
    Vc tem razão.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Obrigado, Reginaldo
    A melhor palavra não seria mágoa, essa sentimos quando alguém que consideramos nos entristece, o que não é o caso.
    Talvez decepção caia melhor.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Caíque
    Obrigado pela mensagem.
    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Sr. Anônimo
    A ideia do texto não é discutir as razões que levam um treinador a reclamar ou mesmo sair, até porque, não há dúvidas que a atual estrutura não está a altura de um time tricampeão brasileiro.
    Entretanto, não considero razoável certas posturas individualistas.
    Att.

    ResponderExcluir
  10. Gostei do paralelo entre o mundo esportivo, coorporativo e familiar. Muito bem colocado.

    ResponderExcluir
  11. Idel,
    concordo inteiramente; e mais, um técnico de grandes times de futebol, são como Executivos de grandes empresas, tanto pela responsabilidade como salário.
    Por conta disso devem ter um postura bastante ética e não é isso que estamos vendo.
    Acho que estão pagando mais do que merecem.
    Abs
    G.Bragança

    ResponderExcluir
  12. Gustavo
    Vc tem razão, a grande diferença é que o executivo se prepara desde cedo para assumir posições de responsabilidade dentro das corporações, sendo que esse preparo envolve sobretudo ética.
    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Grato, Gigi
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Idel, você está certo. Esse tipo de comportamento é imoral.

    Agora, também tenho algumas dúvidas sobre a postura de uma grande empresa em relação a moral e a ética.

    1) Falar mal de seus empregados publicamente também é um erro, certo? Afinal, que empregado se sentiria a vontade em uma empresa que fala mal dele na imprensa ou em blogs?

    Falar mal de seus investidores - mesmo que a empresa tenha uma relação desgastada com esse investidor - publicamente também é um erro, certo? Se você estivesse interessado em investir em uma empresa e visse que ela fala mal de seus atuais investidores, você colocaria dinheiro nela? Você confiaria nessa empresa?

    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Caro The Thales

    Obrigado por seu comentário.

    Concordo com você, acho que qualquer empresa, independente do porte ou segmento, deve sempre evitar falar mal de seus colaboradores, o máximo que eu consideraria aceitável, seria a réplica de eventuais ataques, até como forma de preservar a instituição.
    Em relação a investidores, penso em tese da mesma forma, pois mesmo que esses tenham atitudes pouco ortodoxas na relação, creio que existam soluções menos traumáticas.
    Na prática, infelizmente, muitas vezes a utilização da mídia acaba se tornando uma forma de defesa em relação a alguma ofensiva, digamos, pouco usual.

    Abraço

    ResponderExcluir