terça-feira, 23 de março de 2010

Mercado de marcas esportivas


O levantamento feito pela Perform Gestão de Resultados citado no artigo passado “Onde estão os patrocinadores?” - http://halfen-mktsport.blogspot.com/2010/03/onde-estao-os-patrocinadores.html, também contemplou o mercado de marcas esportivas presentes nos 503 times de 31 países, onde foram encontradas 65 marcas.
No quadro abaixo, estão as 15 marcas mais presentes nas equipes analisadas.

* 24 clubes não apresentaram fornecedor de material esportivo.

As 5 principais marcas (Adidas, Nike, Puma, Umbro e Lotto) fornecem para 49,7% dos times pesquisados, o que denota um cenário de forte concentração.

No ranking referente aos clubes europeus há uma inversão na 1ª e 2ª colocação em relação aos 5 primeiros do ranking geral, com a Nike na liderança e a Adidas como vice-líder.
40 marcas fornecem para as 268 equipes analisadas, sendo que o nível de concentração também é muito forte, 55,3% dos clubes são atendidos pelas 5 principais marcas.
Das 15 principais marcas do ranking europeu, Legea, Jako e Macron só atuam na Europa.
Em termos de valores, o ranking europeu apresenta o seguinte quadro:


As cifras são impressionantes ainda mais diante do cenário sul-americano.
Nesse continente, a Lotto é a marca mais presente, seguida por Mitre, Puma, Umbro e Kappa.
28 marcas fornecem para as 86 equipes analisadas. A concentração, apesar de significativa (46,5%), não é tão alta quanto na Europa e no ranking geral.
Das 10 principais marcas do ranking sul-americano, Mitre, Olympikus e Topper atuam somente nesse continente.

Na América do Norte, a Adidas, além de liderar, apresenta um percentual significativo (50%), isso se deve ao patrocinio da MSL (Major Soccer League), que implica no fornecimento para todas as 16 equipes da liga dos EUA.

O ranking referente à Ásia, a ordem de classificação é a seguinte: Adidas, Nike, Burrda e Puma seguidas por Kappa e Umbro empatadas).
18 marcas fornecem para as 73 equipes analisadas.
Das marcas que constam do ranking asiático, Burrda, Mizuno, Reusch e Wacoal só têm presença na Ásia.

Cerca de 50% dos times pesquisados na África não têm fornecedor de material esportivo.

Na Oceania, apenas a Austrália fez parte da amostra.
Nesse país, a A-League é patrocinada pela Reebok, o que implica no fornecimento para todos os 10 clubes do campeonato.

Apesar do foco do estudo ter sido o futebol, as informações nele contidas podem ser aproveitadas por outras modalidades, pois as empresas não restringem sua participação apenas a um esporte, além do que, não há como negar que o futebol, principalmente as camisas, tem forte apelo junto aos consumidores e varejistas, o que contribui para “abrir as portas” a outros produtos do fabricante.

Partindo desse conceito, empresas com participação forte em outros esportes entram no futebol para de alguma forma garantir uma maior exposição de sua marca e melhorar seu relacionamento com os canais de distribuição.
A Asics e a Mizuno exemplificam bem essa situação.
Outro caso interessante é o da Burrda, uma empresa suíça que voltou seu foco para o futebol do Qatar e o handebol do Egito.

Lamentavelmente, o esporte brasileiro parece ainda não ter se conscientizado das inúmeras vantagens que uma boa negociação com as empresas desse segmento podem lhe trazer, parecem que querem apenas ter com o que vestir seus atletas, ignorando sua influência nos resultados desses fornecedores.

Ídolos, resultados positivos, aumento e engajamento do público/torcida influenciam diretamente as vendas de artigos esportivos.
Será que os clubes e as confederações têm a verdadeira noção de seu poder de barganha?
Não me parece, até porque não há como cobrar uma gestão eficiente de marca se nem a gestão do próprio negócio costuma ser bem executada, vide a quantidade de clubes e confederações com problemas financeiros.

Um comentário:

  1. Alexandre Vasconcellos23 de março de 2010 09:05

    Idel,

    Excelente a iniciativa deste blog. Está virando leitura obrigatória pra mim!

    Sobre o tema, é só mais um no qual os gestores esportivos (não só no futebol) não entenderam que Marketing não é só publicidade ou vendas.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir